PIX: o que você precisa saber

pix

Descubra o que é, como vai funcionar e as vantagens dessa nova forma de fazer pagamentos e transferências no Brasil

Você está cansado de esperar para uma transferência do tipo DOC cair na sua conta ou não acha justo os valores cobrados nos TEDs? Então, o PIX chegou para resolver essas questões de uma vez por todas.

Além de simplificar e baratear o custo de transferências e pagamentos, o PIX promete uma disponibilidade total nas transações, visto que a promessa é que não existirão restrições de dia e horário para efetuar operações.

Assim, a ideia do Banco Central — idealizador e responsável pelo PIX — é revolucionar o mercado brasileiro, que já conta com bons serviços — se comparado com outros países —, para oferecer mais facilidade e economia nas transações bancárias e de pagamento.

Quer conhecer mais sobre o PIX? Então confira o guia completo que preparamos sobre o assunto. Continue lendo para descobrir tudo dessa grande novidade!

O que é o PIX?

O PIX é um sistema de pagamento e transações instantâneas anunciado pelo Banco Central do Brasil, cuja data de lançamento acontecerá em 16 de novembro — para todos os usuários.

Seu principal objetivo é modernizar o sistema de operações, sejam pagamentos ou transferências bancárias entre pessoas físicas e jurídicas.

Por que o PIX surgiu?

O PIX surgiu como uma evolução do sistema de pagamentos brasileiros que, convenhamos, funciona muito bem. No entanto, se atualmente temos o TED como uma fonte veloz para fazer transferências entre contas, não podemos dizer o mesmo sobre os custos da funcionalidade.

Por outro lado, também temos o DOC, que é uma opção mais barata de utilização, mas com uma velocidade de processamento elevada, onde algumas operações podem demorar até dois dias para serem concluídas.

Assim, o PIX surge para usar o melhor dos dois mundos, unindo a velocidade do TED e a economia do DOC para oferecer um serviço mais adequado ao mundo interconectado que vivemos.

Principais vantagens do PIX

Para aprofundarmos no que falamos anteriormente, trouxemos uma lista de vantagens do PIX. Veja como ele é realmente vantajoso e disruptivo dentro do mercado brasileiro:

  • Transferências velozes, com até 10 segundos para processamento;
  • Alta disponibilidade, onde pagamentos e transferências podem ser feitos 24 horas por dia e 7 dias por semana;
  • Economia para pessoa física, onde não existem taxas para o uso de qualquer operação;
  • Economia para pessoa jurídica, que pagam poucos centavos por algumas operações;
  • Segurança nas transações, visto que chaves de criptografia são utilizadas em cada operação, o que simplifica e reduz a chance de fraudes;
  • Praticidade, onde os pagamentos podem acontecer por meio de informações como o número de celular, e-mail, CPF ou CNPJ e QR Codes.

Ainda sobre a questão da segurança, além das operações criptografadas, é possível que as instituições que utilizarem o PIX como meio de pagamento implementem mais soluções que deixem o processo ainda mais seguro.

Nesse caso, biometria, reconhecimento facial, uso de senhas e tokens colocarão uma camada extra de segurança na utilização do PIX. Assim, o que já é seguro vai ficar ainda melhor.

Como o PIX impacta nos projetos de tecnologia?

Para empresas que dependem dos meios de pagamento, o PIX é uma grata novidade por proporcionar que serviços melhores sejam disponibilizados para pessoas físicas e jurídicas. No entanto, obviamente, é preciso se adequar às mudanças do BC.

Na prática, e-commerces serão beneficiados com a prática, visto que será possível pagar uma compra na modalidade débito sem maiores dificuldades. Atualmente, o boleto é uma forma de pagamento à vista, mas exige um tempo de compensação de até 2 dias.

Além disso, estabelecimentos dependerão menos de dinheiro vivo e das maquininhas — considerando pagamento à vista. As operações de crédito não sofrerão alterações e continuarão utilizando o sistema atual de funcionamento.

Ainda assim, muitos projetos de tecnologia serão afetados. Agora, após autorização do Banco Central, as fintechs terão ainda mais espaço para chegarem nas pessoas chamadas de “desbancarizadas”. Isso é, aqueles que não têm conta em banco e só trabalham com dinheiro em espécie.

Dessa forma, com uma conta em bancos tradicionais ou instituições financeiras — que não cobram taxas e têm uma barreira de entrada menor —, essas pessoas poderão se modernizar para ter acesso a um meio de pagamento mais eficiente.

Acelerando e facilitando o domínio do mercado digital

Além de facilitar bastante para o lado dos desenvolvedores e projetos de tecnologia, visto que as soluções implementadas ficarão mais simples, o PIX também permite um crescimento do mercado digital, já que as barreiras para transações serão diminuídas.

Por exemplo: sites que vendem produtos e serviços e não aceitam boleto como meio de pagamento podem, finalmente, ampliar sua chance de conquistar um público antes desamparado. Com o PIX, mesmo a pessoa que não tem cartão de crédito consegue consumir.

Além disso, como os pagamentos ocorrem de forma instantânea, o consumidor também será melhor atendido em relação ao prazo de entrega de seu produto. Em compras no fim de semana, por exemplo, a compensação de um pagamento pode ocorrer somente no próximo dia útil.

Ou seja, o ambiente digital será extremamente valorizado e potencializado com a chegada do PIX, que surge como um serviço mais acessível, simples, econômico e prático no dia a dia.

Agora, com essa grande inovação funcionando no mercado, teremos ainda mais projetos de transformação digital acontecendo e revolucionando empresas Brasil afora. Da mesma forma, também veremos um crescimento das soluções personalizadas e inovadoras deixando o mercado mais tecnológico e eficiente.